3 de agosto de 2011

Introspecção


Ah,se minha mente violasse sua simetria!!
Eu provavelmente esqueceria a proveniência dessa agonia que me faz explodir em dor.
Vem a noite,muito estrelada para competir com minha tristeza.
Vem a lua,linda demais para que eu chore sob seu olhar.
Me escondo na escuridão do meu quarto frio...
Nasce então um novo dia impassível,regado ao canto de sabiás.
Pra quê me atormentam as canções de milagreiros em fulgor?
Se entre tantas noites,luas,estrelas e sabiás,eu só procuro e anseio
fitar o silêncio enérgico de um pequeno beija-flor?

Um comentário:

  1. Belíssimo poema. Desalentador e belo.
    Que venha o beija flor.

    ResponderExcluir

Ternura Sempre...